Costa Gomes: O Mais Brilhante General do Século XX, Militar de Abril...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Costa Gomes: O Mais Brilhante General do Século XX, Militar de Abril...

Mensagem por JornalExtra-Online em Seg 5 Maio 2008 - 13:10



Francisco da Costa Gomes vem de numerosa prole de uma família e Chaves.

A religiosidade, católicos praticantes, marcava os hábitos da família, vinculada a uma postura moral e humana que os caracterizou mesmo aos irmãos que seguiram a carreira militar: um deles, tenente coronel em 1961, comandante de um batalhão de cavalaria que partiu de Estremoz para Angola.

Irmão mais velho, curso feito no Colégio Militar, tal como Francisco, sguira, então, comandando em Janeiro de 1962 o Batalhão 352, embarcado no Cais de Alcantara, a bordo do Niassa, da Companhia Nacional de Navegação e afretado pelo Estado para transporte de tropas para a Guerra.

Dezassete dias depois desembarcavam em Luanda e seguiam em coluna para o Grafanil. Geograficamente situado na periferia de Luanda, aquartelava ali, em fase temporária todos os batalhões a aguardar destacamento para a zona de intervenção no mato, onde acontecia a guerrilha do Povo africano que lutava pela libertação do jugo colonialista imposto por Salazar.



O tenente coronel Costa Gomes era uma homem pacífico e brando. Então o Estado Maior do Exército em Lisboa, deliberou como mais mais prudente colocar em segundo comandante do Batalhão 352 o major Caldeira, - constado no meio militar como sendo fiel seguidor do regime,e dito membro da polícia política, a PIDE.

Os instintos de Caldeira eram conhecidos no meio militar pelo menos no seio do Batalhão 352 que sofreu as injustiças, as atrocidades e a prepotência do seu segundo comandante.

Logo chegados ao chegados ao Grafanil ficaram marcados pela maldade daquele tirano homem. Os oficiais do batalhão, conseguiram permissão para uma noite na cidade. E logo ali se evidenciou os instintos do major. Perseguidor acérrimo dos judeus, e de quem não se "vergasse" ao pendor da "honra pátria" "teceu" um ardil para culpabilizar um miliciano de origem judaica, empresário da industria textil em Lisboa e mobilizado sem que houvesse razão para tal: era judeu e foi-lhe desrespeitada a objecção de consciencia mesmo sendo estrageiro.

Caldeira deu-lhe, injustamente, ordem de detenção, "estava sem vivaque na cidade". Expulsou-o do Batalhão com ordem de prisão. Transferiu-o para uma zona de forte guerrilha. Nunca se soube muito bem porquê mas dias depois Kopejka, o judeu perseguido por Caldeira, morria em "dita missão militar".

Outras "atrocidades" foram cometidas por Caldeira, ou à sua ordem. Em conjunto com o tenente Cardoso, (então marido da cançonetista Paula Ribas), cometeram um hediondo acto, "nobre feito" para o Governo de Salazar que autorizava a morte de presos políticos no Tarrafal por horrendos meios como os nazis fizeram à ordem de Hitler. Caldeira "era um fiel discípulo". De volta ao aquartelamento, com alguns dos seus homens - poucos -, eles caçadores de cabeças, fizeram rolar pelo chão como "troféus de guerra", cabeças de jovens africanos que barbaramente assassinaram.

Conta quem testemunhou que os jovens teriam pouco mais de 15 anos.Soldados desmairam perante a macabra cena.

Mas no batalhão,havia também oficiais milicianos e soldados ao serviços destes que exerciam uma resistencia antifascista e protegiam as mulheres e crianças aprisionadas que pela calada da noite, com alguma habilidade, "devolviam ao mato" em liberdade.

Costa Gomes não era alheio totalmente, à acção destes milicianos que,"forçados à mobilização", não pactuavam com a tirania. Tal postura, subtil, incomodava Caldeira,mas as certezas fugiam à perspicácia do astuto major. Costa Gomes sofria. Adoeceu. E um dia, doença e também pretexto, trouxe de volta à Metrópole o tenente coronel Costa Gomes, comandante do batalhão 352, que baixou ao Hospital Militar da Estrela.

Sabe-se que Caldeira e Cardoso deixaram descambar as suas vidas no regesso a Portugal em Abril de 1964. A sociedade portuguesa antifascista conhecendo-lhe as atrocidades aceitou-os mal na reintegração. Um deles enloqueceu.


O mais brilhante general do século XX
- "O rolhas" foi um grande homem


Francisco da Costa Gomes,- marechal -, destacou-se no panora histórico nacional anos 70 como um homem de Abril, defensor e apoiante dos Movimento de Capitães que, orientado por Otelo Saraiva de Carvalho,comandado por Salgueiro Maia haveriam de transformar Portugal.

Durante o mês de Abril de 2008, em Lisboa, apresentado por Beja Santos, teve lugar o lançamento de um livro biografia narrativa do homem que foi também chamado de "Agente dos Vermelhos".

Na oportunidade, Beja Santos referia: "os seus detractores chamaram-lhe “Chico Rolha” ou “O Cortiça” mas também o “Agente dos Vermelhos”. No entanto, foi a figura decisiva de uma revolução, a última que tivemos no século passado, que moderou sem nunca ter tido aspirações a ser revolucionário. Foi, sem dúvida, o oficial general mais prestigiado e brilhante das Forças Armadas Portuguesas no século XX, mas nunca deixou de pensar como um civil, sem, contudo, ter deixado em momentos decisivos de agir como o garante da dignidade dos militares.


Os três "teatros" da guerra

É considerado uma figura modelar ao nível da estratégia, sobretudo em Moçambique e Angola, mas previu que não havia solução militar para os conflitos armados nos três teatros de guerra. Quando, em Agosto de 1973, Caetano sugeriu o abandono discreto da província da Guiné, reagiu desfavoravelmente, lembrado da tragédia de Goa. Homem da matemática, nunca escondendo a sua formação católica, esteve no centro dos acontecimentos políticos e militares entre 1974 e 1976.

Suscitou invejas, ódios, acusações e, logo que possível, muitos políticos que tanto lhe deviam, tudo fizeram para procurar apagar ou distorcer a marca indelével que ele deixou na História de Portugal.


“Marechal Costa Gomes, No centro da tempestade”

Este livro é a biografia que lhe consagrou Luís Nuno Rodrigues, um relato rigoroso e muito acessível da trajectória de um militar-político, que conseguiu conter as tensões extremadas do Verão Quente de 1975, evitando o perigo da guerra civil e manobrando com êxito para que se viesse a fundar o regime democrático em Portugal (A Esfera dos Livros, 2008).

Francisco da Costa Gomes tornou-se presidente da República quando António de Spínola renunciou ao cargo, em 30 de Setembro de 1974, em consequência de uma prolongada tensão com as forças do MFA, sobretudo a sua Comissão Coordenadora, e depois de uma tentativa falhada em criar uma onda de simpatia para o seu projecto autocrático.


"Golpe Botelho Moniz"

Tratando-se de uma biografia, o autor descreve as principais etapas da educação e formação do Presidente da República: o Colégio Militar, os seus primeiros passos na carreira militar, a sua missão em Macau (etapa fundamental para o prestígio que granjeou na hierarquia), depois a sua passagem pela NATO, a sua nomeação como Subsecretário de Estado do Exército, onde teve um papel capital na reorganização das forças ultramarinas, nos finais dos anos 50 e início dos anos 60. Teve igualmente um papel discreto nos acontecimentos do pronunciamento militar conhecido por “Abrilada” ou “Golpe Botelho Moniz”, em Abril de 1961.

Afastado do poder, foi “recuperado” quando eclodiu em todo o seu fragor a guerra colonial, a seguir a 1965: segundo-comandante da Região Militar de Moçambique, de 1965 a 1967, e depois seu comandante até 1969, tendo indiscutivelmente travado o esforço militar da FRELIMO; em 1970 parte para Angola onde exerceu as funções de comandante da Região Militar e onde vai permanecer até meados de 1972, conseguindo assinaláveis sucessos na modernização do dispositivo militar, atraindo e formando tropas locais, reduzindo a guerra de guerrilhas a quase nada. Em Setembro de 1972 foi nomeado chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas. A partir de 1973, quando estala o conflito entre o Governo de Marcelo Caetano e os capitães do Quadro Permanente, Costa Gomes aparece como defensor dos interesses destes oficiais, ouvindo-os e alertando os ministros do Exército e da Defesa para as razões do descontentamento.

Criado o Movimento das Forças Armadas, Costa Gomes foi o general mais votado para surgir como líder do Movimento. Enquanto Spínola se mantém activo e acolhe regularmente um grupo de oficiais, Costa Gomes deliberou manter o seu distanciamento.

Neste livro, Luís Nuno Rodrigues escreve com documentação segura tudo quanto se vai passar ao nível das relações militares com Marcelo Caetano até ao 25 de Abril de 1974: a amizade entre Spínola e Costa Gomes e as suas carreiras diferenciadas, em que pesou o princípio do desmoronamento do teatro da Guiné, em 1973, e que revela a contingência do colapso militar. Costa Gomes visita a Guiné nesse momento crítico e propõe a redução da área efectivamente ocupada, proposta recebida desfavoravelmente por Spínola.



Spínola pede a demissão

É então que António de Spínola, pede a demissão de governador e comandante-chefe das Forças Armadas da Guiné e é substituído.

A leitura de Marcelo Caetano, como se disse acima, ainda era mais drástica, pois propunha o acantonamento das Forças Armadas à península de Bissau, o que também não foi aceite, já que parecia configurar-se como uma manobra aparentada com o desastre da Índia, com a consequente hipótese de haver acusação de cobardia militar. A autorização da publicação do livro de Spínola “Portugal e o Futuro” foi o detonador para as movimentações militares, até então circunscritas às reuniões clandestinas dos jovens oficiais. Caetano entrega o poder a Spínola no convento do Carmo, mas não houve equívoco no que os militares pensavam da personalidade de Costa Gomes, incapaz de um acto impulsivo e nunca tentado para o poder pessoal. Enquanto Spínola se emaranha na formação do 1º Governo e nas tensões da descolonização, Costa Gomes viaja pelas províncias ultramarinas e constata que não há margem de manobra para continuar as guerras, em qualquer dos teatros de operações. O conflito de Spínola/MFA é indisfarçável após a queda do primeiro Governo Provisório. A relação entre os dois oficiais generais é de progressivo afastamento, embora, mesmo depois do 28 de Setembro tenham mantido um recíproco bom trato. O 11 de Março mudou tudo.

Nomeado presidente da República, Costa Gomes colocou a descolonização como o principal problema que se punha ao país, continuou um bom relacionamento com o MFA, apaziguou conflitos levantados ao nível da sua ala radical, é um período de inúmeros encontros internacionais com políticos das principais áreas de decisão, sobretudo na Europa e Estados Unidos. A sua voz e a sua serenidade revelaram-se da maior importância perante o acumular de preocupações com a degradação da situação interna. Com efeito, a partir de Outubro e Novembro de 1974 vive-se numa atmosfera de permanente sobressalto, de golpismo, de crescimento de utopias, de tensões entre o PS e o PCP até se chegar ao 11 de Março de 1975, onde a postura de Costa Gomes foi decisiva para a manutenção das propostas iniciais do MFA quanto a eleições e à formação de uma Assembleia Constituinte. Assim se chega ao Verão Quente e o autor vai destacando ao longo desses meses determinantes as declarações de Costa Gomes que evidenciam um pensamento firme quanto à manutenção do pluralismo partidário. Lendo à distância dos anos estas declarações, é incontestável uma deliberada postura de Costa Gomes, pautada por uma elevada cautela na redução dos conflitos num período em que o PS e o PPD saíram do Governo, em que se forma o V Governo Provisório, em que os boatos de todos os matizes proliferam no país, em que se estabelece uma ponte aérea para retirar os fugitivos de Angola, em que toda a gente de manifestava a qualquer hora do dia e da noite e em que o MFA se cindia em grupos cada vez mais irredutíveis.

Assim se chegou ao 25 de Novembro, talvez o ponto culminante da ágil capacidade de manobra de Costa Gomes, bem sucedido em travar os confrontos militares e políticos. A documentação invocada por Luís Nuno Rodrigues é de inexcedível importância, e é base irrefutável do papel desempenhado por Costa Gomes.

Trata-se de uma biografia marcada pela elegância das atitudes do biografado, escusando-se a destacar a mesquinhez dos políticos que tudo fizeram para a apoucar o papel de Costa Gomes na consolidação do processo democrático, ou as manobras para o impedir de continuar a servir Portugal, ele que possuía tantos talentos e que inclusivamente ganhara prestígio na cena internacional.

Luís Nuno Rodrigues ganhou a aposta em relançar o mais prestigiado militar português do século XX no seu papel de presidente da República naqueles momentos tão conturbados que se viveram entre 1974 e 1976.

O que esta biografia deixa em suspenso é saber como e quando Portugal irá reconhecer na plenitude o papel desempenhado por Costa Gomes na fundação da nossa República.

Ainda então general Francisco de Costa Gomes durante as comemorações do 25 de Abril anos 70, a abrir uma sessão da Assembleia do MFA focou tres temas de reflexão: "Um Ritmo para a Nossa Revolução"; "Um caminho para a independencia Nacional"; "Um curso para continuar a nossa Revolução". Temos, em relação ao Ocidente, sobretudo em relação à Europa, extrema vulnerabilidades. O nosso comércio externo, nos dois sentidos, depende do Ocidente. Temos fora do país três milhões de emigrantes e colonos. Uma manobra de redução de trocas comerciais e da devolução dos emigrantes é uma ameaça para a qual não temos qualquer resposta válida. Nos Estados Unidos da América e Canadá temos 1,5 milhões de açoreanos e madeirenses. A independencia nacional não pode ser conseguida por vias que envolvam a hostilização. O segundo ponto de reflexão que proponho a esta Assembleia é, pois, o estudo de uma via programática para a nossa independencia nacional.

Para terminar falemos sobre descolonização:

Sei que ninguém tem dúvidas que descolonizar é um dos objectivos fundamentais da Revolução, diria mesmo a motivação mais profunda da nossa acção anti-fascista. Todos aceitamos que descolonizar é libertar povos oprimidos sem os abandonar a outras formas de poderes opressores. Admitindo que esta Assembleia está na primeira linha responsabilidades em Angola temos que pensar na nossa capacidade de motivar as forças militares. Este é o terceiro ponto da reflexão que esta Assembleia necessita considerar".

JornalExtra-Online
Chefe de Redacção

Feminino Número de Mensagens : 291
Data de inscrição : 28/03/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum