Aristides de Sousa Mendes

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Aristides de Sousa Mendes

Mensagem por JornalExtra-Online em Sex 20 Mar 2009 - 20:07

Image Hosted by ImageShack.us


Aristides de Sousa Mendes com seus Filhos.


"Largos milhares de judeus foram sacrificados pela tirania de Hitler e esbulhados dos seus haveres mas graças a Aristides Sousa Mendes conquistaram a liberdade apartir de Bordéus".

Aristides de Sousa Mendes
nome português
na "Floresta dos Mártires em Jerusalem"


Image Hosted by ImageShack.us


O governo de Israel foi o primeiro a louvar a memória de Aristides Sousa
Mendes, gravando o seu feito no Museu de Yad Vashem, um edifício dedicado a perpetuar a memória das vítimas das perseguições nazis durante a II Guerra Mundial.



Aristides Sousa Mendes, português, natural de Cabanas de Viriato, concelho de Carregal do Sal, teve, ao longo de 30 anos uma brilhante carreira diplomática.

Image Hosted by ImageShack.us


Durante a II Guerra Mundial quando Aristides de Sousa Mendes era consul -geral em Bordéus, surge um dramático contexto social quando as tropas de Hitler invadem a França.

E no verão de 1940 acorrem a Bordéus largos milhares de refugiados judeus procurando escapar ao holocausto. Para os judeus a única salvação para fugir à malvada tirania de Hitler era atingir o outro lado do Atlântico, a América.

Image Hosted by ImageShack.us


Confrontado com esta trágica realidade , Aristides de Sousa Mendes de imediato se solidariza com o povo judeu mas confronta-se com uma tremenda dificuldade: as ordens de Salazar, Primeiro Ministro de Portugal,proibiam o consul de passar vistos aos judeus para sairem de França, decretanto assim a morte de milhares de pessoas às mãos de Hitler.


Image Hosted by ImageShack.us


Salazar para ficar bem aos olhos do mundo agia cinicamente;
(era cumplice e pseudo-aliado de Hitler - e dele recebeu um automóvel blindado topo de gama, guardado no Forte de Peniche e outros favores, bem como toneladas de barras de ouro guardadas no Banco de Portugal e provadas como sendo do ouro roubado ao povo judeu-)
de braço dado com a Igreja Católica (na sua cumplicidade com Cerejeira de quem fora colega no seminário e depois em Coimbra) misturou os poderes do Estado com os da Igreja e ambos, eles e Cerejeira praticaram inconcebíveis atrocidades. Naturalmente que a Cerejeira, expoente máximo da Igreja em Portugal - e feito Cardeal - em nada conviria preservar a vida de milhares de judeus, defensores de outros credos, evangelizadores e pregadores da mensagem de Cristo, verdadeira, biblica, que em nada tinha a ver com a doutrina da Igreja onde a própria Biblia era lida em latim, língua morta que ninguém entendia, (e na Bíblia no livro de Mateus, em capítulo 24 e versículo 14, cita "este evangelho será pregado em testemunho a todas as nações...)
Salazar e Cerejeira foram cúmplices ao proibir ao Consul de Bordéus a retirada dos judeus no verão de 1940.

Mas o consul de Bordéus
contrariou Salazar


Aristides de Sousa Mendes via-se assim "entre a espada e a parede". Por um lado era gritante a sua vontade de defender o povo judeu deixando-o partir em direcção à América. Por outro lado sendo embora um diplomata brilhante sabia que contrariando Salazar seria expulso e a sua carreira terminaria ali. Tinha 14 filhos e o dia-a-dia no futuro não lhe seria fácil.
Era a ruina da sua carreira.
Salazar, de Lisboa, decretava a sua firmeza em "manter uma linha oficial de neutralidade e por isso recusava sistematicamente os pedidos de visto enviados pelos consul de Bordéus.

Salazar sabia que a sua determinação implicaria a morte de milhares de pessoas adultas e crianças .

"...são ordens vis e injustas..."


Aristides de Sousa Mendes fez "orelhas moucas" às ordens de Salazar e optou por seguir as suas convicções e passar vistos a todos quantos o solicitassem.

Image Hosted by ImageShack.us


Desobedeceu a Salazar consciente de que tal opção iria ser a ruina da sua carreira.
E um dia, `porta do Consulado, Aristides Sousa Mendes, falou assim perante uma multidão de refugiados:
"sei que a minha mulher concorda com a miha opinião e estou certo de que os eus filhos compreenderão e não me acusarão se, por dr vistos a todos e a caa dos refgiados , eu for amanhã destituido do meu cargo, pot ter agido(...9 (contra) ordens que, em meu entender, são vis e injustas. E assim declaro que dari, sem encargos, um visto a quem quer que o peça" .

Foi o testemunho público que comprovou a sua lucidez para a decisão de cumprir as suas convicções morais.
Tal decisão foi, a seu pedido, espalhada por Bordéus. Nos dias seguintes em consequencia disso foram dezenas de milhar de pessoas que obtiveram um visto com a assinatura do consul português.

Image Hosted by ImageShack.us


As consequências não tardaram e pouco tempo volvido Lisboa ordenava a instauração de um processo disciplinar ao consul-geral de Portugal em Bordéus. Aristides de Sousa Mendes invocou para sua defesa imperativos humanitários ditados pela sua consciência. Tais conceitos eram mais fortes do que
a obrigação de obediência a regulamentos administrativos.

Mas a tirania de Salazar decretou ao diplomata brilhante o afastamento compulsivo do serviço diplomático activo, sujeitando-o a uma pensão de reforma muito baixa desvalorizando o facto de o diplomata ter 14 filhos.

O Tribunal Administrativo e a Assembleia Nacional, às quais apelou, nem sequer lhe responderam.
A situação económica foi ficando cada vez mais débil e o recurso foi a hipoteca das propriedades herdadas. Catorze anos depois, em 1954 Aristides de Sousa Mendes morre, numa situação de extrema pobreza.
A sua memória foi alvo de um expressivo número de homenagens internacionais na sua maioria vinda da comunidade judaica.

Image Hosted by ImageShack.us


Na "Floresta dos Mártires", em Jerusalém, foram plantadas 20 árvores com o seu nome. Jerusalem atribiu-lhe uma medalha onde foi escrito:

"A Aristides de Sousa Mendes
o povo judeu agradecido"

No Talmude foi escrita uma citação:

"Quem salva uma vida
salva todo o universo"


Muitas outras homenagens tem vindo a ser prestadas por Israel a título póstumo.

Image Hosted by ImageShack.us


Nos Estados Unidos a Camara de Representantes do Senado aprovarm resoluções em sua honra.
Em Portugal, Aristides de Sousa Mendes viria a ser homenageado somente em 1988 através de uma Lei aprovado por unanimidade pelo Parlamento e que reintegrou o consul-geral de Bordéus a título póstumo, no serviço diplomático e na categoria de embaixador.
Alguns anos depois, em 1995, Mário Soares, então presidente da República, atribuiu-lhe a condecoração da Ordem da Liberdade.
Em Cabanas de Viriato, sua terra natal, surge mais tarde um projecto de criação de uma fundação com o nome da Aristides de Sousa Mendes, curiosamente num espaço que, em tempos foi uma das propriedades do diplomata.

Image Hosted by ImageShack.us

JornalExtra-Online
Chefe de Redacção

Feminino Número de Mensagens : 291
Data de inscrição : 28/03/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum